CARTA DA SABEDORIA

Brasil, um país de idosos. Vivos, graças aos avanços da medicina, cuidados sociais e bênçãos divinas.

  • Aposentados não são nenhum ônus pois contribuíram em idade ativa, com maiores dificuldades e menores salários do que as gerações atuais, para o aumento da produtividade econômica
  • Revisar o Estatuto do Idoso com vistas à profissionalização dos CONSELHOS MUNICIPAIS DO IDOSO
  • Obrigatoriedade de criação dos Centros de Convivência do Idoso

 

Pessoas com idade igual ou acima a 60 anos, no Brasil, em pleno gozo da idade da sabedoria, têm aumentado gradativamente no total da população, engordando a pirâmide etária.  Havia cerca de 10 milhões em 1990 e, em 2025, chegaremos a 34 milhões, cuja imensa maioria dependerá das mais baixas aposentadorias e pensões do INSS.  Dentre eles, muitos acima de 70 anos, dispensados da obrigatoriedade do voto, irão às urnas em outubro próximo. Como nenhum Partido se identifica prioritariamente com os idosos, nós, neste Dia Internacional do Trabalho, preocupados com preconceitos, argumentos errados sobre o envelhecimento e. sobretudo, abandono deste segmento pelos poderes públicos na recente pandemia do COVID, eis que foram os que mais vieram a morrer de COVID, resolvemos trazer a público nossas ideias e reivindicações, na esperança de que alguns dos candidatos em outubro, as escute e assume.

A questão do envelhecimento é pouco discutida na sociedade e poderes públicos mas é preciso que venha à tona pois todos estão condenados a este processo de amadurecimento. Ao chegar à idade, as capacidades físicas e mentais se debilitam e não raro abalam a capacidade de trabalho e a autoestima, provocando, até, o isolamento e o afastamento do convívio social.

 

De acordo com a Síntese de Indicadores Sociais, quase metade dos idosos do país (48,9%) sofre de mais de uma doença crônica. E uma das mais graves é a depressão, queixa de 9,2%. Esse quantitativo aumenta quando os idosos então internados em asilos ou hospitais. A causa da doença está relacionada a fatores biológicos, sociais, e psicológicos mas os poderes públicos pouca atenção dão a ela.

Os sintomas de isolamento, falta de interesse em participar de atividades do dia a dia, tristeza duradoura, acompanhada de desânimo, apatia, não dormir bem, perder apetite, entre outros, são sintomas que não podem ser negligenciados pela sociedade. É obrigação constitucional da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.

Sem maior capacidade de mobilização na defesa de seus interesses os idosos têm visto seu prestígio junto à sociedade baixar a níveis alarmantes, enquanto suas dificuldades se multiplicam. A cada Reforma Previdenciária se renovam as acusações de que os inativos se constituem num ônus para a sociedade e se renovam medidas legais de confisco de suas aposentadorias e pensões com vistas à equilibrar orçamentos públicos da União, Estado e Municípios à título de Contribuições Previdenciárias, já cobradas dos servidores públicos e prometidas aos do setor público. Esquecem-se de que os idosos de hoje foram os ativos de ontem e anteontem e que foram eles, sob condições mais difíceis de trabalho e remuneração, que contribuíram para que melhorassem os níveis de produtividade e renda da economia como um todo. Alguns audaciosos, inclusive, se propõem a substituir a aposentadoria como um direito social público por uma opção de investimento privado, sempre sujeita às inevitáveis oscilações e quebras do mercado. Nos Estados Unidos, a crise de 2008 acabou com inúmeros Fundos de Pensão e seus beneficiários empobrecidos vivem hoje às custas de Vales Refeição oferecidos pelas Prefeituras e Clubes de Serviço. No Chile este modelo privatista reduziu à fome as aposentadorias e pensões à ponto de insuflar uma revolta popular que redundou na convocação de uma Assembleia Constituinte, ainda em curso naquele país. Não é muito diferente na Europa. Diante disso é imperioso que se informe à sociedade, sobretudo os mais jovens em idade ativa, sobre a inelutabilidade do compromisso ético inter-generacional, no qual os filhos são responsáveis pelos país da mesma forma que os país são por eles responsáveis quando nascem. Os trabalhadores ativos, portanto, têm uma obrigação ética com aqueles que os precederam e devem contribuir para seu bem estar. A questão previdenciária é, antes que tudo, uma questão política e não uma questão estatística.

Outra questão que ficou evidente na pandemia foi o abandono dos idosos à sua própria sorte, cabendo-lhes, na medida das suas possibilidades ir à cata de um apoio médico. Mesmo sabendo da incidência e maior gravidade da doença sobre idosos, os poderes públicos não os trataram com atenção especial. Os Conselho Nacional do Idoso e respectivos Conselhos Municipais do Idoso simplesmente sumiram, quando mais eram necessários. Isso nos induz a exigir uma imediata revisão do ESTATUO DO IDOSO com o objetivo de profissionalizar os membros dos Conselhos Municipais do Idoso, à semelhança do Conselho Tutelar criado pelo ECAD, de forma a que venham a melhor conhecer e assistir o idoso em seus respectivos municípios.

Mas o idoso não precisa apenas de cuidados médicos e respeito previdenciário. Urge atendê-los em suas reivindicações sociais, obrigando a cada Municípios que disponha de um Centros de Vivência e Acolhimento, devidamente instrumentalizados com equipamentos e pessoal qualificado para a devida atenção aos idosos. Muitos  municípios já dispõem destes centros mas urge disseminá-los pelo país.

               

Torres, RS -  26 julho 2022 – DIA DOS AVÓS

Assinam

Luiz Fernando Sanzi

Paulo Timm


"Ajuda militar" para a UCRÂNIA brota aos bilhões de dólares. Na verdade sem sair um dólar dos Estados Unidos. Tudo pra comprar material bélico fornecendo pelo famoso COMPLEXO INDUSTRIAL MILITAR denunciado pelo Pres. Eisenhower nos anos 50. Tudo pago pelo Estado americano com dinheiro dos contribuintes.
Ajuda contra a fome no mundo ou mesmo aqui para o Brasil, nada. Neca de catibiriba. Temos 20 milhões de brasileiros, metade da população da UCRANIA, quatro vezes mais do que os refugiados de guerra daquele país, ganhando menos de 2 dólares por dia, em situação de miséria e insegurança total. Nenhuma palavra de solidariedade do "Ocidente" para com eles.
Algo me diz que há algo mais nos céus da Ucrânia do que os mísseis russos... 


 

EDITORIAL 10 maio BOM DIA DEMOCRACIA


Vai ter golpe? – Debate Conjuntura Política -RED dia 6 maio 22
https://youtu.be/Qc7RMFv_3IY
Benedito T. Cesar, P.Timm e Marcia Dias (C.Política/UNIRIO)

Xadrez de como será o golpe da urna eletrônica, por Luís Nassif .Se o STF, a PGRv e o MP do DF não agirem a tempo, as cenas serão concretizadas. Será o golpe mais antecipado da história, sem tanque nas ruas
Luis Nassifluis.nassif@gmail.com - Publicado em 9 de maio de 2022 - https://jornalggn.com.br/politica/xadrez-de-como-sera-o-golpe-da-urna-eletronica-por-luis-nassif/

MP pede ao TCU investigação de contrato do Exército com empresa israelense, revelado pelo BdF
General que questiona o TSE contratou empresa que tem ex-diretor de Bolsonaro como executivo, mostra reportagem
Publicado BRASIL DE FATO -https://www.brasildefato.com.br/2022/05/09/mp-pede-ao-tcu-investigacao-de-contrato-do-exercito-com-empresa-israelense-revelado-pelo-bdf


'Bolsonaro, seus dias estão contados. Não adianta desconfiar de urna. O que você tem é medo de perder as eleições e ser preso', diz Lula em Belo Horizonte G1 DIA 10 maio.
Pré-candidato do PT à presidência esteve em evento no Expominas, na tarde desta segunda-feira (9) em BH.

Aumenta a temperatura política no país. Inúmeros articulistas destacam o clima claramente golpista que vai associando , cada vez mais, o Presidente Bolsonaro com lideranças militares, os quais se interligam, via General Heleno, Chefe da GSI, ao espírito do então Ministro do Exército, Gen. Silvio Frota, que tentou um golpe contra a abertura política conduzida pelo Presidente Geisel. Heleno era do gabinete de Frota e, inconformado, continuou conspirando contra a democracia reunindo outros militares desgostosos com os rumos do país e que viram na candidatura Bolsonaro, em 2018, uma oportunidade de voltar ao controle do país. O próprio Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, elevou seu tom de advertência contra os que atacam o processo eleitoral, o TSE, as urnas eletrônicas e a democracia. A REDE GLOBO DE COMUNICAÇÕES, igualmente, vem elevando o tom de denúncia do golpismo, evidente desde os pronunciamentos de 1º. Maio. Bom lembrar que se o golpe de 64 teve um caráter civil-militar, no bojo de campanhas envolvendo Políticos, Militares, Mídia e Igreja, como muitos defendem, o futuro golpe, em andamento, se houver, terá um caráter tipicamente MILITARISTA, em articulação com mílicias, bandas fascistas espalhadas por todo país e grupos de assalto" xiitas " fortemente treinados, sem qualquer articulação, nem internacional, nem com s sociedade civil do país. Ninguém sabe quanto tempo durará isso, mas não será o preâmbulo de uma GUERRA CIVIL pelo simples fato de que não há divisão nas FFAA, nem existe na Oposição qualquer grupo de resistência com perfil para tanto. Tratar=se-á,, portanto, de uma NOITE DE SÃO BARTOLOMEU de resultados incertos, mas grande número de vítimas. Quem sobreviver contará..


*

Os fascistas não querem vitória eleitoral, mas golpe: nova estética de luta numa época sem retorno (por Tarso Genro)
https://sul21.com.br/opiniao/2022/05/os-fascistas-nao-querem-vitoria-eleitoral-mas-golpe-nova-estetica-de-luta-numa-epoca-sem-retorno-por-tarso-genro/
A disputa hoje está situada num tempo em que tudo é urgente, no qual se fundem além do que o supérfluo e o necessário, a mentira e a verdade
Os que aceitaram votar num defensor da tortura eventualmente podem ser desculpados pelo primitivismo da sua visão de mundo – fundada na ignorância e no preconceito – que repousava no seu inconsciente. Não podem ser desculpados, todavia, os que tem inteligência para sentir que o cheiro de morte e o magnetismo doentio – que exalam os atuais donos do poder – repetem todos os dias a brutalidades das velhas ações e das velhas ameaças.
Teodor Adorno (“Aspectos do novo radicalismo de direita”, Unesp,2020,pg14) escreveu que Jean Amery, “refletindo sobre a experiência dos intelectuais nos campos de concentração” – para reconhecerem o que era o mundo à época – “não exigiam nenhuma análise semântica, nenhuma sintaxe lógica: bastava olhar para a torre de vigilância ou sentir o cheiro de gordura queimada que vinha do crematório.”
O debate da graça (indulto ou anistia) concedida ao Deputado Federal Daniel Silveira revela nas redes uma contradição entre – de um lado – o volume do engajamento dos ativistas organizados na defesa das posições extremistas de direita e, de outro, os reflexos limitados do seu “trabalho”, na formação de uma opinião majoritária nas escolhas sobre a eleição presidencial.
O exame deste espaço imaterial de fluxos da opinião mostra a existência de dois universos paralelos de luta política. Eles ora se unem, compondo uma totalidade, ora se fragmentam, alterando o equilíbrio entre as forças em confronto. Não são universos estanques e ambas as facções enviam mensagens – de um espaço para o outro – através da fala dos seus líderes ou daquilo que os seus representantes formais ou informais, interpretam como seu pensamento.
O primeiro universo – das redes – ainda que de forma instável, tem sido mais fluente para circulação do golpismo, do ódio e do preconceito, e o segundo – o espaço da disputa democrática tradicional – tem sido o mais reflexivo, mais concretamente ligado à vida cotidiana das dificuldades da vida comum, entristecida pelas carências para sobreviver com dignidade.
Por dentro deste espaço – ao contrário do que ocorre nas redes, onde se reproduz majoritariamente o ódio à democracia – é que flui de forma mais racional o debate liberal e democrático, voltado para as eleições: o anonimato nas redes impulsiona os esgotos morais escondidos na consciência fascista; os holofotes da política, na luz da democracia liberal, exigem certas mediações civilizadas para que os indivíduos – à luz do Direito – possam ser ouvidos na sociedade civil com certo respeito civilizatório. Deu-se bem, Daniel?
Em 23 de abril o professor-pesquisador Emerson Cervi mostrou com dados de monitoramento e análise, que Bolsonaro “ganhou de lavada nos ambientes digitais o embate sobre a punição ao deputado da sua base”. Este anulara a separação entre a voz do esgoto – protegida pelo anonimato – e os universos de combate político na legalidade democrática.
Ao atacar diretamente o STF, quando percebeu que as redes poderiam ser mais eficazes se diretamente enfrentassem a mais alta Corte da República à luz do dia, o deputado-réu quis ampliar no espaço público a voz do seu Chefe, já sedento por um golpe miliciano inclusive contra o Exército, se for necessário, para se manter no poder.
O próprio Professor Cervi, no entanto, no seu mesmo estudo, relativiza esta vitória “bolsonarista” nas redes, imputando-a ao fato de que os direitistas extremos são mais organizados e preparados, materialmente, para um embate desta natureza. Eles já criaram meios artificiais superiores aos que detém os seus adversários\inimigos políticos, fazendo um manejo mais organizado dos mecanismos tecnológicos que dispõem para a “guerra”, mas seu alcance é incerto.
Fora das redes sociais o resultado na formação da opinião revela que o ritmo frenético das redes não é necessariamente determinante. O cientista político Antônio Lavareda, analisando a última pesquisa do IPESPE (06/05) chama atenção para o fato de que 56% desaprovaram o perdão a Daniel Silveira, contra 29% que estão de acordo. Para 35% dos entrevistados, a medida vai diminuir a chance de voto em Bolsonaro; para 20% vai aumentar e não ocorrerá nenhuma alteração na opinião de 31%.
Os resultados permitem observar que as possíveis consequências do gesto, mais prejudica do que favorece o candidato Bolsonaro. Vê-se, diz o articulista, “que embora desperte um debate relevante do ponto de vista judicial e político, seus efeitos não impactam a arena eleitoral”. A conclusão, com a qual concordo, mostra que o controle político das redes não é necessariamente a condição para a vitória, mas apenas uma das condições que podem influenciar o seu desfecho.
Atenção, todavia: as redes têm uma conexão imediata e limitada com a luta eleitoral democrática, embora tenham uma importância estratégica para criação das condições para um enfrentamento caótico entre a democracia e o golpismo, este, o meio mais eficaz para subverter o regime liberal-democrático, com a instalação do caos social e político. E mais: isso não é só desejo do “esgoto” fascista, mas uma possibilidade permanente de solução, sempre cortejada pelos mais fortes sujeitos políticos das classes dominantes do país, quando seus interesses e privilégios são minimamente ameaçados.
A esquerda precisa compreender que estes dois níveis de disputa – nas redes e no espaço político liberal-democrático tradicional – compõem um só universo, articulado por uma série de vínculos culturais e institucionais, que formam os novos Territórios da política.
A disputa hoje está situada num tempo humano em que tudo é urgente, no qual se fundem além do que o supérfluo e o necessário, a mentira e a verdade. A “impressão” da busca pelo novo e a impaciência, perante o trabalho histórico para construir uma vida renovada, não suporta mais as longas narrativas dos ciclos dotados de uma certa paz social.
A brilhante estética de luta dos velhos tempos, que conduziram a vitória do discurso político de Lula e lhe elegeram à Presidência, volta brilhantemente depois do seu novo lançamento. E deve permanecer. Mas a guerrilha das redes tem uma outra estética e uma nova linguagem que corresponde aos novos tempos, tanto de dominação do capital como da resistência às suas manifestações mais opressivas.
A combinação destas duas formas de linguagem nos seus distintos territórios onde verte a política é o que dá durabilidade, hoje, ao autoritarismo e à emergência ao fascismo. E a sábia combinação, da nossa parte, para a resistência e a ofensiva política nestes mesmos territórios difusos, onde a guerra é semeada pela extrema direita, é o que pode garantir a vitória do povo, no sentido da República e da democracia.
(*) Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

*
As opiniões emitidas nos artigos publicados no espaço de opinião expressam a posição de seu autor


topo